Famílias de vítimas de acidente na Mogi-Bertioga querem indenização

Mogi das Cruzes/SP - Familiares das vítimas do acidente da estrada Mogi-Bertioga, orientados pelo advogado José Beraldo, falam sobre as medidas judiciais que pretendem adotar (Rovena Rosa/Agência Brasil)

MORTES – Ao todo, 18 pessoas, incluindo o motorista, morreram na noite do dia 8 de junho, quando o coletivo que vinha de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, tombou na via.

As famílias de 11 das vítimas do acidente de ônibus ocorrido na rodovia Mogi-Bertioga anunciaram nesta quarta-feira (22) que pretendem processar a empresa que oferecia o serviço de transporte e a prefeitura de São Sebastião. Ao todo, 18 pessoas morreram na noite do dia 8 de junho, quando o coletivo que vinha de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, tombou na via. O veículo trazia estudantes universitários de volta para São Sebastião, no litoral paulista. O motorista também morreu no acidente.

Segundo o advogado que representa às famílias, José Beraldo, a defesa vai cobrar providências do Ministério Público, para que responsabilize criminalmente o dono da empresa União do Litoral, que faz o transporte dos alunos mediante contrato com a prefeitura de São Sebastião. Em outra frente, serão apresentadas ações individuais pedindo indenização da prefeitura e da empresa.

Por meio de nota, a prefeitura de São Sebastião disse que os veículos que transportam os estudantes universitários são de responsabilidade da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), que “atestou plenas condições da circulação do mesmo e, de acordo com a Secretaria de Educação, nenhuma reclamação foi protocolada este ano”, diz o comunicado. Sobre a União do Litoral, a prefeitura de São Sebastião afirma que a companhia está facilitando o acesso das famílias aos agentes da seguradora contratada pela empresa.

Foto: Rovena Rosa/Abr

Único jornal diário gratuito no metrô