Após 7 meses, entrada principal da estação Luz é reaberta em SP

O acesso principal à estação de metrô da Luz, que fica em frente ao parque da Luz e à Pinacoteca, na região central de São Paulo, foi reaberto nesta segunda-feira (25).
Essa passagem, assim como o saguão principal e as passarelas superiores da estação, foram interditados pela CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) depois de um incêndio destruir toda a instalação do Museu da Língua Portuguesa e matar um funcionário em dezembro de 2015.
Segundo a CPTM, foram necessárias obras estruturais, elétricas e hidráulicas para contenção da estrutura afetada pelo incêndio. Além de ser uma via de acesso importante, o hall principal também abrigava eventos, como apresentações musicais e teatrais.
A estação da Luz fica no bairro do Bom Retiro, na região central de São Paulo, e é uma das mais movimentadas do metrô. Recebe cerca de 250 mil usuários em dias úteis, sendo ponto de embarque e desembarque das linhas 7-rubi e 11-coral, que ligam a capital paulista aos municípios à leste e noroeste da Grande São Paulo.
Durante a reforma, os acessos eram feitos pela avenida Cásper Líbero e pela calçada da Pinacoteca, na praça da Luz, em entradas mais escondidas. A reabertura do acesso principal vai facilitar a vida de quem transita pela rua José Paulino e a dos visitantes da Pinacoteca, do Museu de Arte Sacra e do parque da Luz.
INCÊNDIO
Patrimônio histórico na região central de São Paulo, o complexo da estação da Luz -que engloba a estação homônima de transporte e o Museu da Língua Portuguesa- foi parcialmente consumido por um incêndio no dia 21 de dezembro de 2015.
O fogo começou por volta das 15h50 e foi controlado após duas horas e meia. O bombeiro civil Ronaldo Pereira, 39, que trabalhava no local, fechado às segundas para visitas, morreu após parada cardiorrespiratória devido à fumaça.
As chamas destruíram o segundo e o terceiro andares do prédio, e o teto de madeira desabou. Inaugurado em 2006, o museu era um dos mais visitados da capital paulista. Seu diretor, Antonio Carlos Sartini, espera reabri-lo até 2018.
“O museu foi totalmente afetado, é uma tragédia”, afirmou o secretário do Estado da Cultura, Marcelo Araujo, na ocasião. Todo o acervo do local é digital e, de acordo com ele, conta com cópia de segurança.
A estrutura da estação de trem, erguida em 1867, não sofreu dano. Construída para ser a grande porta de entrada da cidade, por onde passaria o café do interior e os imigrantes vindos de Santos, a Estação da Luz, muito semelhante à atingida agora, existe desde 1902. Uma outra, modesta, funcionava ali desde 1867.
“O que veio da Europa, desmontado, era o teto de aço. Os tijolos, por exemplo, foram feitos aqui, em olarias que a própria SP Railway incentivava que fossem feitas”, afirma o arquiteto Lúcio Gomes Machado, professor da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), da USP.
A partir dos anos 1950, com o incentivo ao transporte por automóvel, as ferrovias caíram no ostracismo. No centenário do prédio, em 2002, começaram as obras de restauração do edifício. Parte do local, que estava em estado de abandono, é que recebeu o Museu da Língua Portuguesa.
O museu e todo o complexo da estação da Luz não tinham aval dos bombeiros para funcionar.

Crédito: Folhapress