Erundina diz que vai refazer licitação de ônibus criada por Haddad em SP

BILHÕES – O prefeito Fernando Haddad (PT), candidato à reeleição, informou que a licitação, de R$ 140 bilhões, ficará para ser assinada pelo próximo prefeito da capital paulista

A candidata à Prefeitura de São Paulo Luiza Erundina (PSOL) disse que, se for eleita, vai rever o modelo de concessão do serviço de ônibus elaborado pela gestão do prefeito Fernando Haddad para os próximos 20 anos.

Em sabatina realizada pela Folha de S.Paulo, UOL e SBT, Erundina afirmou que a licitação, como foi pensada, faz com que as empresas privadas que forem contratadas fiquem responsáveis pela fiscalização delas mesmas e engessa a administração da cidade.

“Essa licitação não pode perseverar porque destoa de tudo o que o mundo aprendeu sobre como se estabelecer um serviço de transporte. Não faz sentido, não é moderno congelar todo o contrato por 20 anos. Na Inglaterra, por exemplo, cada licitação é relativa a 20% do serviço”, afirmou. Em sabatina nesta terça (26), Haddad afirmou que, por conta da proximidade das eleições, não assinará a licitação, no valor de R$ 140 bilhões – a tarefa que caberá ao próximo prefeito.

A ex-prefeita (1989 -1993) também criticou o que chamou de “sanha privatista” de outros candidatos, como Doria, que afirmou que iria privatizar os corredores de ônibus de São Paulo.

Ela afirmou que as propostas de concessão do Anhembi, cogitada por Haddad, e do autódromo de Interlagos, “ameaçam conquistas da sociedade”. Segundo Erundina, há maneiras melhores de gerar renda para a administração municipal, como fazer uma auditoria da dívida da cidade e cobrar impostos atrasados.

“A verdade é que não há coragem de cobrar os grandes devedores”, afirmou a candidata, que também prometeu implementar o IPTU progressivo nas propriedades. A candidata disse que buscará conversar com o empresariado para melhorar a cidade, que não está boa “nem para o 1% [mais rico].”