Após ação policial, movimento sem teto perde força no Cine Marrocos

CRACOLÂNDIA – Na sexta (5), seis integrantes do MSTS – que cobra mensalidade de R$ 200 das famílias – foram presos em ação policial entre o local e a cracolândia

As cerca de 600 pessoas que vivem no Cine Marrocos, no centro, estão sendo instruídas por moradores mais antigos a deixar de pagar o MSTS (Movimento Sem Teto de São Paulo), grupo que organiza a ocupação do prédio de 12 andares desde 2013. Na sexta (5), seis integrantes do MSTS – que cobra mensalidade de R$ 200 das famílias – foram presos em ação policial entre o local e a cracolândia.

Segundo o Denarc (departamento de narcóticos), os organizadores do movimento coordenavam a venda de crack e maconha na cracolândia e na região da Galeria do Rock, ao lado do Cine Marracos. Ao menos 32 pessoas foram presas.

No sábado (6), os moradores do prédio – que já abrigou um dos mais luxuosos cinemas de São Paulo- davam como certa a reintegração de posse no próximo mês. A orientação é guardar o dinheiro da mensalidade e se preparar para deixar o prédio que pertence à prefeitura.

“São centenas de pessoas aqui que saem de manhã para trabalhar e voltam de noite. Não podemos ser comparados a quem comete crimes”, diz um dos moradores, que pede para não se identificar. A reportagem tentou, mas não conseguiu falar com o MSTS.