Pressionada pelos alimentos, inflação acelera para 0,52% em julho, diz IBGE

Único jornal diário gratuito no metrô

Pressionada por alimentos, a inflação voltou a acelerar em julho e fechou o mês com avanço de 0,52%, acima das previsões do mercado, segundo dados divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira (10). O resultado veio acima do centro de expectativas de analistas ouvidos pela agência internacional Bloomberg, que estimavam o avanço em 0,45%.

No ano, o IPCA, o indicador oficial de inflação do país, é de 4,96%, patamar menor que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foi de 6,83%.

Em 12 meses o avanço é de 8,74% -acima do teto da meta do governo, que é de 6,5%. O resultado ficou ligeiramente acima do previsto por analistas (8,66%), mas abaixo do acumulado nos 12 meses até junho (8,84%).

O principal grupo responsável pelo aumento em julho foi alimentos, que avançou 1,32% no mês passado. Foi a maior alta para julho desde 2000, quando o segmento avançou 1,78%. O leite foi o maior vilão do mês, com preços que dispararam 17,58% e tiveram impacto de 0,19 ponto percentual. Em seguida veio o feijão-carioca, com alta de 32,42% e respondeu por 0,13 ponto percentual. O feijão-preto teve aumento de 41,59%, o mulatinho ficou 18,89% mais caro e o fradinho, 14,72%.