Cidade de São Paulo se mobiliza após o sumiço de urubu famoso

Único jornal diário gratuito no metrô

APELO – Uma página de Loro numa rede social tem mais de 13 mil seguidores, e campanhas pelo seu aparecimento têm sido feitas; Loro está desaparecido desde 30 de agosto

Criado com carinho, Loro tem dois anos, se alimenta diariamente com carne moída e toma banhos em uma bacia. Já chegou a passar três dias fora de casa e não tinha motivos para desaparecer, mas desde o último dia 30 de agosto não é mais visto pela família que o criou.

O sumiço de Loro, um urubu que vivia com a comerciante Telma Crepaldi num sítio, está mobilizando moradores de Indaiatuba (a 98 km de São Paulo). Domesticado, o animal era presença frequente num parque da cidade, onde era procurado para fazer fotos e selfies.

“Ele sempre ficava de três a quatro horas por dia em casa, ia para outros lugares e voltava no mesmo dia ou no dia seguinte. Só uma vez que passou três dias fora, mas as pessoas mandavam fotos dele e eu sabia que estava tudo bem. Agora é diferente”, afirmou a comerciante neste domingo (11).

A história da ave com a família teve início há dois anos, quando um veterinário da prefeitura a procurou perguntando se ela queria cuidar de um urubu quase recém-nascido que tinha caído numa escola. Inicialmente, ela disse ter relutado, mas aceitou a proposta após ouvir que “ele poderia morrer se alguém não cuidasse”. No sítio da família também moram 11 cães e uma porca.

A partir disso, Telma o criou na expectativa de que, tão logo aprendesse a voar, ele a deixaria e seguiria sua vida com outros urubus que vivem na região, atraídos por uma granja existente na vizinhança. Mas isso não aconteceu, o tempo foi passando e ele virou membro da família.

Desde o sumiço, a comerciante disse ter recebido dezenas de contatos sobre o suposto paradeiro da ave, mas ela disse ser difícil conseguir a comprovação. Uma página de Loro numa rede social tem mais de 13 mil seguidores, e campanhas pelo seu aparecimento têm sido feitas.