Estátua do Borba Gato e Monumento às Bandeiras são ‘pichados’ em SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A cidade de São Paulo amanheceu nesta sexta-feira (30) com duas importantes obras de arte pichadas com tinta colorida: o Monumento às Bandeiras, junto ao parque Ibirapuera, e a estátua do Borba Gato em Santo Amaro, na zona sul da cidade.
Os dois monumentos foram manchados com as mesmas cores de tinta: rosa, verde, azul e amarelo. Equipes de limpeza da administração municipal já começaram a realizar a limpeza das obras.
O ato de vandalismo acontece um dia depois de os candidatos à Prefeitura de São Paulo comentarem sobre o abandono da cidade durante debate eleitoral realizado pela TV Globo. O tucano João Doria diz que a cidade “está à beira do abandono, maltratada” e que a “zeladoria da cidade é inexistente” e questiona a senadora Marta Suplicy (PMDB) qual a proposta dela sobre pichações e vandalismo.
“Isso não pode ser permitido na cidade”, diz Marta, lembrando a diferença entre pichações e grafites e dizendo que ela foi a primeira prefeita que deu atenção a essa manifestação artística. “Mas vandalismo, não, não vamos permitir.”
“Marta, arte, sim, vandalismo, não”, responde Doria. “A cidade precisa ser preservada, vandalismo tem que ser tratado pela polícia.”
A peemedebista, na tréplica, diz que vai colocar guardas municipais em prédios públicos. “A prefeitura tem que estar atenta, e se pichar, a subprefeitura tem que ir limpar”, afirmou. “Jovens picham por adrenalina, e isso se resolve também com pistas de skate”.
MONUMENTOS
Criado por um dos ícones do movimento modernista brasileiro: o artista Victor Brecheret (1894-1955), o Monumento às Bandeiras retrata índios, negros e brancos, integrantes das bandeiras sertanistas que, partindo de São Paulo no século 17, desbravaram o interior do território brasileiro em busca de riquezas.
Idealizado em 1920, o monumento foi inaugurado mais de trinta anos depois, em 1953, juntamente com o Parque do Ibirapuera para as comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo. Incorporado à paisagem paulistana, tornou-se um de seus mais expressivos símbolos. A obra fica na praça Armando Salles de Oliveira, em frente ao Palácio Nove de Julho, sede da Assembleia Legislativa e ao parque do Ibirapuera.
A escultura foi encomendada pelo governo de São Paulo em 1921 e tem 240 blocos de granito, cada um pesando 50 toneladas, com 50 metros de comprimento e 16 de altura, foi inaugurada em 1954, juntamente com o Parque do Ibirapuera para as comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo.
A estátua de Borba Gato, implantada na confluência das avenidas Santo Amaro e Adolfo Pinheiro, divide opiniões desde sua inauguração em 27 de janeiro de 1963. Tanto pela homenagem à controversa figura do bandeirante santamarense, que empreendeu expedição a Minas Gerais em busca de esmeraldas, quanto pela solução estética adotada pelo seu autor.
O escultor Julio Guerra (1912-2001) trabalhou seis anos na execução da estátua. Utilizou trilhos de bondes para a montagem da estrutura de concreto, posteriormente revestida de pedras coloridas de basalto e mármore. O resultado é um mosaico tridimensional com cerca de 13 metros de altura e 20 toneladas.
Trajando roupas do século 17, Borba Gato mantém-se em posição ereta, com o olhar perdido no horizonte e segurando um enorme trabuco em posição de descanso. O pedestal, revestido de granito rústico, mede aproximadamente 2 metros de altura.