Falta trabalho para 22,7 milhões de pessoas no Brasil, indica IBGE

SÃO PAULO, SP - 04.10.2016: PESSOAS PROCURAM EMPREGO EM SP - Pessoas procuram emprego na região central de São Paulo (SP) nesta terça-feira (04). (Foto: Jales Valquer /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1210778

LEVANTAMENTO – O dado foi divulgado nesta quinta (13) pelo IBGE e é um complemento da Pnad Contínua, a pesquisa oficial de emprego do instituto; pesquisa traz novos detalhes

Há no Brasil ao menos 22,7 milhões de pessoas em idade produtiva, mas que estão sem trabalho ou trabalham menos do que poderiam. O número, referente ao segundo trimestre deste ano, corresponde à soma dos desempregados, subocupados e inativos com potencial para trabalhar no país. O dado foi divulgado nesta quinta-feira (13) pelo IBGE e é um complemento da Pnad Contínua, a pesquisa oficial de emprego do instituto.

O complemento traz novos detalhes sobre o mercado de trabalho, mas não muda o resultado do desemprego para o segundo trimestre deste ano – em julho, a taxa de desocupação bateu 11,3%, com 11,6 milhões de desempregados. No trimestre encerrado em agosto – o dado mais atualizado -, o número de desempregados chegou a 12 milhões e a taxa, a 11,8%.

Os dados divulgados nesta quinta mostram pela primeira vez indicadores de subocupação – que são pessoas que trabalham menos de 40 horas semanais, mas gostariam de trabalhar mais.

Segundo a pesquisa, 4,8 milhões de pessoas estiveram nessa condição ao final do segundo trimestre do ano, o que representa alta de 17% em relação ao verificado no primeiro trimestre deste ano, de 4,1 milhões de pessoas. O dado é o mais alto desde o terceiro trimestre de 2015, quando o indicador havia batido 5,5 milhões.

A força de trabalho potencial atingiu 6,2 milhões de pessoas no primeiro trimestre. O dado é o mais alto da série histórica investigada pelo IBGE, que começa no primeiro trimestre de 2012, quando o contingente era de 6,7 milhões de pessoas.

Do primeiro para o segundo trimestre deste ano, houve aumento de 16% no contingente, com 900 mil pessoas chegando a esta condição ao final de julho. Ao somar os três indicadores -desocupados (11,6 milhões), subocupados e força de trabalho potencial -, o instituto chegou aos número de 22,7 milhões de pessoas. O número representa 13,6% dos 166,3 milhões de pessoas com idade para trabalhar.

Único jornal diário gratuito no metrô