Com morte de ‘Getulinho’, suicídio atinge 3 gerações da família Vargas

Três gerações da família Vargas foram abaladas por suicídio. Assim como o seu avô, o presidente Getúlio Vargas (1882-1954), e o seu pai, Manuel Antônio Vargas (1916-1997), o advogado Getúlio Dornelles Vargas tirou a própria vida, aos 61 anos. Ele tinha o mesmo nome do avô.

“Getulinho”, como era chamado por amigos, foi encontrado morto em seu apartamento no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, na última segunda-feira (17). A Polícia Civil investiga o caso, mas confirma que a causa da morte foi suicídio com um tiro na região da têmpora.

Ele deixou uma carta para os familiares, mas não revela a motivação. “São questões bem íntimas. Ele deixou mensagens de carinho para a família”, conta a delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios da capital gaúcha.

O advogado morava com uma filha, que não estava no apartamento no momento do disparo.

“Infelizmente, foi mais uma tragédia nessa família”, diz a delegada, em referência ao histórico de suicídio que atingiu três gerações: o avô, o pai e o neto.