Motoristas de aplicativos protestam pelo Brasil antes de projeto de lei ser votado

Motoristas de aplicativos de transporte individual de passageiros, como Uber e Cabify, fazem protestos nesta segunda-feira (30) em pelo menos 20 Estados brasileiros. O motivo é o projeto de lei 28/2017, que será votado com urgência pelo Senado nesta terça-feira (31). As empresas argumentam que sua atividade será financeiramente inviável se o PL for aprovado na íntegra. Se o PL passar no Senado, os aplicativos de transporte terão que seguir uma série de exigências, como vistorias periódicas dos carros e ter uma licença específica para circular.

Em São Paulo, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), os motoristas estavam concentrados na Praça Charles Miller, no Pacaembu, e saíram em carreata, por volta das 10h, em direção ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, no bairro do Morumbi.

Os manifestantes se dividiram em três grupos e seguiram por caminhos diferentes: um se manteve na praça; outro passou pela ponte Estaiada, sentido Aeroporto e o terceiro desceu a avenida Rebouças e passou pela Marginal de Pinheiros. Por volta das 12h10, um dos grupos passava pela avenida Jorge João Saad, no Morumbi.

Em nota, a Uber disse que o ato em SP não está sendo organizado pela empresa, mas entende que os motoristas parceiros têm liberdade e autonomia para protestar contra o PLC 28/2017. De acordo com o texto, o Projeto de Lei “criará uma burocracia tão grande que impedirá que os 500 mil motoristas parceiros da Uber’, em todo o Brasil, gerem renda para suas famílias”, disse a nota.