Bolsonaro, sobre auxílio: isso não é uma aposentadoria, é uma ajuda emergencial

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a dizer, nesta quinta-feira, 28, que o auxílio emergencial deve ser um benefício provisório. Segundo ele, o valor das parcelas de R$ 600 a informais pode ser “pouco para quem recebe”, mas “é melhor do que nada”. “Isso não é aposentadoria, é uma ajuda emergencial Eu sei que é pouco para quem recebe, mas ajuda, é melhor do que nada”, disse o presidente na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro afirmou que as novas parcelas, que devem ser prorrogadas até dezembro deste ano, ficarão abaixo de R$ 600, mas não especificou qual será a quantia.

Ele também reclamou de apoiadores que questionam a possível redução do auxílio e disse que está carregando uma cruz “muito pesada”.

O presidente vem dizendo que a quantia deve ficar entre os R$ 200 sugeridos pela equipe econômica e os atuais R$ 600.

“Você vê, nós colocamos auxílio emergencial (inicialmente) por três meses, tem cara que reclama que é pouco, agora, custa para todo mundo R$ 50 bilhões por mês. Prorrogamos para mais dois, R$ 250 bilhões (no total). A gente prefere até o final do ano uma importância menor do que R$ 600. Tem cara já reclamando, é o tempo todo assim”, reclamou Bolsonaro.

O presidente disse, ainda, que o País está “no limite” e insinuou que não sabe o que vai acontecer “se a economia não pegar”. “Lamento esse vírus (covid-19) aí, deu uma baqueada na gente, estávamos indo bem para caramba”, declarou.