Diretor do Butantã defende proximidade maior do instituto com Anvisa

Covas afirmou que a suspensão não irá atrasar calendário de aplicação de doses, previsto para começar em janeiro de 2021 | Foto: Governo SP / Divulgação / CP

O diretor do Instituto Butantã, Dimas Covas, defendeu uma proximidade maior entre a instituição que chefia e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), após a autarquia suspender por cerca de um dia os testes que vinham sendo realizados pelo Butantã de vacina contra o novo coronavírus. A paralisação foi motivada pelo registro de evento adverso grave em um dos voluntários.

Segundo Covas, o período de suspensão não é suficiente para atrasar a estimativa de início de aplicação das doses, prevista para começar em janeiro do próximo ano.

O diretor do instituto confirmou que participará, por videoconferência na sexta-feira, 13, de reunião sobre o assunto na comissão mista no Congresso Nacional que avalia a execução orçamentária das medidas contra a covid-19. Também confirmou presença virtual no encontro o presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres.