Share
Doria chama França de ‘Márcio Cuba’, e governador entra com ação contra ele

Doria chama França de ‘Márcio Cuba’, e governador entra com ação contra ele

No primeiro embate de alta temperatura entre os pré-candidatos João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB), o tucano atacou o atual ocupante do Palácio dos Bandeirantes com críticas duras nesta quinta-feira (12) e o governador reagiu, anunciando que pedirá ao MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) que investigue se houve crime contra sua honra.
Doria, que vem adotando a tática de associar o socialista à extrema esquerda -ligação que o governador rechaça-, repetiu o discurso durante uma entrevista: se referiu ironicamente a ele como “Márcio Cuba” (depois se corrigiu) e afirmou que o socialista idolatrava o ex-presidente Lula.
Falou ainda que o oponente na disputa pelo governo estadual não tem nenhuma realização para mostrar, que usa a estrutura pública para “fazer política partidária o dia inteiro” e que alicia prefeitos e deputados, com promessas de verbas e cargos, em busca de apoio para sua campanha.
Um dos exemplos, disse Doria, é a promessa de que ajudará municípios com verba para pavimentação de vias. O ex-prefeito de São Paulo também usou o asfalto como vitrine em sua gestão.
As declarações foram feitas à Jovem Pan, rádio que na terça (10) tinha entrevistado França. Da parte do governador, também houve disparos na direção do tucano, a quem o socialista chama de “uma pessoa sem palavra”, por não ter cumprido o compromisso de ficar na Prefeitura de São Paulo até o fim do mandato.
França publicou mensagem numa rede social horas depois da entrevista de Doria reagindo no mesmo tom. Escreveu que “o prefeito que abandonou a cidade de São Paulo” fez “aquilo que ele sabe fazer de melhor: mentir, plantar o ódio e semear a divisão”.
O governador disse que entrará com uma representação no MP-SP por causa das mentiras ditas pelo tucano. A avaliação no palácio foi a de que Doria pode ter cometido crime contra a honra (categoria do Código Penal que inclui injúria, difamação e calúnia).
“Tenho apenas a lamentar a postura de um homem como ele, que deveria entender a política como instrumento de consenso, diálogo e conciliação. O estado de São Paulo, por sua grandeza e força, não merece esse tipo de atitude”, disse o socialista na postagem.
Em 2016, França foi um dos líderes das articulações partidárias que ajudaram a eleger Doria prefeito da capital. O hoje governador, então vice de Geraldo Alckmin (PSDB), fez campanha para o tucano e diz que essa é a maior prova de que ele não é de extrema esquerda.
Dois anos depois da parceria, a conversa é outra. França fala que o adversário está isolado dentro e fora de seu partido; Doria diz que quer “distância de extremista”, encaixando o antigo aliado nessa categoria.
“O caso do prefeito que abandonou SP é psicológico, e não político”, afirmou o governador na rede social.
“O debate será quente”, sentenciou o ex-prefeito nesta quinta na rádio.

BASTIDORES
Insatisfeitos com a promessa de Doria de entregar a vaga de vice ao PSD em sua chapa, PP e DEM se colocam como fiel da balança na eleição estadual.
Aliados de Rodrigo Garcia (DEM) mantêm conversas para a vaga de vice de França, mas não fecharam o diálogo com o tucano. Argumentam que, unidos, terão poder decisivo ao escolher com qual candidato se aliarão.
Além do tempo de televisão expressivo, eles darão boa entrada no interior ao candidato que escolherem (a base de Garcia é o interior), o que é fundamental para Doria. E neutralizariam os ataques de que França representa a esquerda, uma vez que o DEM se coloca claramente à direita.
Para políticos envolvidos nessa articulação, se PP e DEM se aliarem a Doria, o tucano se torna o franco favorito da disputa. Não subestimam, porém, o largo arco de alianças que França montou e o poder da máquina do estado paulista em suas mãos.
A decisão deve vir dentro de um mês.

(Folhapress)
Foto: Governo do Estado de São Paulo

Deixe seu Comentário