Share
Meirelles rejeita ‘rótulo’ de candidato do governo

Meirelles rejeita ‘rótulo’ de candidato do governo

Titular da Fazenda do presidente Michel Temer até abril, o agora ex-ministro Henrique Meirelles (MDB) quer “tirar o rótulo” de candidato do governo e do mercado à Presidência da República. Em entrevista ao Estadão/Broadcast, ele disse que sua candidatura não “representa especificamente” o governo Temer e, sim, seu currículo pessoal e sua atuação na iniciativa privada e no setor público.

“Estou tirando o rótulo. Por exemplo, não sou o candidato do mercado, não sou o candidato do governo, não sou o candidato de Brasília. A minha proposta é a proposta do meu histórico”, afirmou Meirelles. “Não estou tentando tirar um rótulo. Estou tentando tirar qualquer rótulo que não seja a minha proposta, meu histórico.”

Recém-filiado ao MDB, Meirelles foi lançado oficialmente como presidenciável no mês passado pelo próprio Temer, que desistiu de tentar se reeleger. Na ocasião, o presidente cobrou união do partido em torno da candidatura, que enfrenta resistências internas, como o do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE).

Em resposta ao fato de ter sido integrante do governo até pouco tempo, o ex-ministro repete o mote da sua campanha, o de que é candidato da renda, do crescimento, do emprego e da inflação sob controle. “Mas acredito que as reformas feitas por esse governo são fundamentais e, no Ministério da Fazenda, conseguimos neste governo retirar a economia da maior recessão da história e criar dois milhões de postos de trabalho. Isso é um dado inquestionável”, afirmou Meirelles, que desconversa sobre a participação de Temer na campanha.

“Isso é uma escolha dele. Minha campanha será aberta a todos, não existe restrição”, disse. O presidente já avisou que não pretende participar diretamente dos palanques eleitorais, mas vem cobrando um candidato alinhado com a defesa do que chama de legado do seu governo.

Para Meirelles, a recuperação mais lenta da economia do que o esperado não vai prejudicar a sua candidatura. Pelo contrário, diz ele, pode beneficiá-lo porque acontece justamente no momento em que se intensifica o debate eleitoral.

Greve

Ele também não vê impacto da crise dos combustíveis em sua candidatura, pois, segundo o ex-ministro, sua proposta é de “quem, quando entra no governo, resolve e tem oferecido resultados concretos para população”. No auge da crise provocada pela greve dos caminhoneiros, Meirelles participou de reunião no Palácio do Planalto para tratar do assunto.

O ex-ministro também tem acompanhado Temer em agendas do governo consideradas positivas, como entregas de casas, e chegou a sugerir a proposta de um fundo de estabilização para bancar o subsídio aos combustíveis em momentos de alta de preços. Em sua pré-campanha, Meirelles já percorreu 27 cidades desde que deixou o comando do Ministério da Fazenda.

Para defender as políticas implementadas na pasta, Meirelles argumenta que os possíveis resultados econômicos ruins de agora são reflexo das incertezas do cenário eleitoral e não frutos de sua gestão.

“A defesa das políticas implementadas pelo governo é óbvia. São políticas que participei e que estão tendo grande sucesso. Agora, no momento em que a incerteza eleitoral e candidatos que têm posição forte nas pesquisas começam a propor voltar atrás, há um reflexo na economia”, afirmou.

Convenção

Meirelles, por outro lado, conta com Temer para o que elegeu como prioridade no momento: buscar apoio interno dos diretórios estaduais para ser escolhido candidato na convenção, prevista para a última semana de julho. O ministro prepara para as próximas semanas nova bateria de viagens para dialogar e buscar “engajamento” dos emedebistas estaduais.

O ex-ministro deve ter adversários na disputa interna. Opositor de Temer, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) quer lançar o senador Roberto Requião (MDB-PR), enquanto o 1.º vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (MDB-MG), articula lançar o ex-ministro Nelson Jobim. “Ele é a melhor alternativa para o momento. Tem conhecimento, tem boa relação com a esquerda e a direita, foi ministro do Supremo, ministro da Defesa”, disse Ramalho.

Meirelles também tem buscado se aproximar de parlamentares da sigla. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Estadão)
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agencia Brasil

1 Comentário neste post

  1. Ana Lúcia Krause

    Ele não é candidato do governo, é o candidato que precisamos.

    Responder

Deixe seu Comentário