Zona Azul Digital comercializou 125.702 cartões em julho, diz Prefeitura de SP

A Zona Azul Digital teve 125.702 cartões digitais (Cads) vendidos em julho desde o início da implementação, no dia 11 do mesmo mês. Desse total, 61.275 foram utilizados. Comparando com a média mensal de comercialização da folha de papel para estacionamento rotativo em 2015, a modalidade digital atingiu 18,43% das transações.

Um Cad corresponde a uma folha de estacionamento convencional. Para utilizar a Zona Azul Digital, o motorista precisa baixar um dos três aplicativos aprovados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET): SP Cartão Azul Digital, Digipare ou Vaga Inteligente. Estão à disposição os sistemas Android e IOS.

É necessário realizar um cadastro com login (CPF/CNPJ), senha e placa do veículo. Um mesmo usuário poderá realizar o cadastro de várias placas. Ao parar em uma vaga, o condutor precisa informar a placa do veículo estacionado e o tempo que deseja adquirir para permanecer no local. Caso o período vença, o motorista poderá renovar o crédito à distância –os aplicativos emitem um alerta que pode ser programado pelo usuário para quando o tempo solicitado estiver expirando.

O preço da Zona Azul permanece o mesmo, de R$ 5 por período, que pode ser de 30 minutos a quatro horas – o tempo varia de acordo com a localização. Também há a possibilidade de comprar um pacote de créditos com desconto: 10 cartões digitais por R$ 45. O pagamento por aplicativos pode ser feito com cartão de crédito e, no aplicativo Digipare, também no cartão de débito. Mesmo com a criação do sistema digital, os talões de papel continuam valendo em toda a cidade.