Brasileiras salvam match points e avançam à semi no vôlei de praia

PLÍNIO FRAGA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A dupla brasileira Larissa Maestrini, 34, e Talita Rocha, 33, disputa na terça-feira (16) a semifinal do vôlei de praia contra as alemãs Laura Ludwig, 30, e Kira Walkenhorst, 25. Elas obtiveram a classificação após jogo emocionante e difícil, no qual venceram as suíças Joana Heidrich e Nadine Zumkehr por 2 sets a 1, com parciais de 21/23, 27/25 e 15/13.
As suíças tiveram quatro chances de vencer a partida ao final do segundo set, mas as brasileiras impediram o ponto adversário e venceram levando o jogo para o terceiro set.
“Elas tinham de colocar a bola no chão para vencer, mas não conseguiram. Tenho 15 anos de praia. Isso ajudou a manter a calma. Se precisar definir o jogo em uma palavra, diria: paciência. Foi o que nos deu a vitória. Sabia que a experiência de três olimpíadas faria diferença em algum momento e fez “, afirmou Larissa.
Da quadra na arena de Copacabana, a jogadora brasileira viu cartaz escrito por torcedor que estava na arquibancada: “Larrissa é melhor do que Neymar”. “Sem palavras. Gerar essa expectativa nas pessoas é incrível. Mas eu não acho isso não”, respondeu ela.
Brasileiras e suíças deixaram a quadra reclamando da arbitragem do russo Roman Pristovakin. “Ele errou um pouquinho, mas errar é humano”, disse Larissa.
“O juiz inverteu marcações importantes que nos prejudicaram”, queixou-se Heidrich. “Ficamos triste porque tivemos chances claras de vencer, mas não conseguimos”. Sua parceira apontou a causa da derrota de forma direta: “Larissa é uma jogadora incrível. Foi a melhor partida que tive a chance de jogar em minha carreira”, declarou Zumkehr.
As suíças forçaram seus saques em Talita, deixando a jogadora brasileira desestabilizada, em especial no primeiro set. Em um dos tempos técnicos, Larissa a aconselhou: “Temos que jogar com calma e sabedoria”. Após a partida, esclareceu: “É uma estratégia que irrita, mas temos que lembrar que o ponto é sempre nosso, das duas. Elas forçaram o jogo na Talita, eu levantava para ela bater. Tivemos calma”, comentou ela sobre a inversão de papel entre as duas nos ataques da equipe.
Talita deixou a quadra com câimbras e não deu entrevistas. Larissa disse que as alemãs são adversárias difíceis. “É uma boa dupla, será um grande desafio. Quem está na semifinal é porque jogou melhor do que os adversários. Temos de respeitá-las.”
Após a vitória sobre o Canadá que levou a dupla da Alemanha à semifinal, Laura Ludwig disse esperar muita pressão da torcida na partida decisiva. “Nós vamos lutar e jogar pesado. A torcida vai fazer muito barulho, mas vamos nos divertir com isso”, declarou.
A outra dupla brasileira no feminino, formada por Ágatha Rippel e Bárbara Seixas, joga ainda hoje a sua chance de ir à semifinal contra as russas Ukulova/Birlova.
No masculino, Alison Cerutti e Bruno Schmidt jogam às 16h desta segunda pelas quartas de final contra os americanos Dalhausser/Lucena. O norte-americano Phil Dalhausser, 36, ganhou a medalha de ouro no vôlei de praia em Pequim-08, quando seu parceiro foi o jogador Todd Roggers. Dalhausser/Lucena têm quatro vitórias na Rio-2016, só tendo perdido um set.