Protestos contra impeachment bloqueiam marginais e rodovia em SP

Único jornal diário gratuito no metrô

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Integrantes do MSTS (Movimento Sem Teto de São Paulo) e da CMP (Central de Movimentos Populares) realizam na manhã desta terça-feira (30) diversas manifestações em São Paulo contra o processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff.
Com faixas de “Fora Temer”, os protestos começaram pouco depois das 6h e interditam pontos das marginais Tietê, Pinheiros, Radial Leste e da rodovia Régis Bittencourt.
Os manifestantes dos movimentos também condenam a atuação policial contra o ato realizado na noite desta segunda-feira (29) na avenida Paulista, região central da cidade, quando bombas de gás lacrimogêneo e efeito moral lançadas pela tropa de choque da Polícia Militar.
Nesta segunda, a presidente afastada, Dilma Rousseff, usou a ida ao Senado para defender sua biografia e dizer ter sido vítima de um golpe parlamentar orquestrado pela oposição ao seu governo e pelo deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Em linhas gerais, a presidente afastada sustentou aos senadores a tese de que desde o início do seu segundo mandato foi alvo de “boicote” político e parlamentar patrocinado por adversários, o que, segundo ela, contribuiu para o agravamento da crise econômica pela qual passa o país. O Senado volta a debater o processo de impeachment nesta terça.
INTERDIÇÕES
Na marginal Tietê, um grupo colocou barricadas de fogo nas três pistas da via, sentido Aryton Senna, na altura da rua dos Italianos, por volta das 6h40, a pouco mais de cem metros da ponte da Casa Verde.
De longe era possível ver uma grande fumaça preta e um enorme congestionamento, que se estendia até o acesso à rodovia dos Bandeirantes.
Os bombeiros foram chamados para controlar o incêndio. Por volta das 7h40, o fogo já havia sido controlado, as barricadas removidas, e os bombeiros realizam a limpeza das vias jogando serragem.
Com a chegada de um carro da PM, parte dos manifestantes fugiu correndo. Os motoristas aguardavam do lado de fora dos carros a liberação das faixas.
Já no sentido da Castello Branco, um outro grupo interditou a marginal Tietê, na altura da ponte Transamérica, por volta das 7h.
Na zona oeste da cidade, os manifestantes interditaram a avenida Francisco Morato, na altura da avenida Vital Brasil, no acesso à ponte Eusébio Matoso, por volta das 6h30. Os bombeiros foram acionados para controlar o incêndio, mas foram impedidos pelos manifestantes de se aproximarem das barricadas.
Na Radial Leste, o protesto começou depois das 7h, quando os manifestantes fecharam os dois sentidos da Dr Luiz Ayres, ao lado do metrô Corinthians-Itaquera, da linha 3-vermelha. Por volta das 7h40, a pista sentido centro havia sido liberada. Às 8h, duas faixas da via, sentido centro, permaneciam interditadas.
Outro protesto interdita a pista sentido Paraná da rodovia Régis Bittencourt entre o Km 273 e Km 274, na região de Taboão da Serra (Grande São Paulo). No sentido São Paulo, um grupo de manifestantes interdita a via entre o km 275 e km 274.
Antes das 6h, houve uma manifestação também na avenida Nove de Julho, próximo ao túnel Anhangabaú, no centro de São Paulo. Já na zona sul de São Paulo, manifestantes interditam a avenida João Dias, na altura da ponte João Dias, sentido centro, desde as 7h40.
Por volta das 8h, a CET (Companhia Engenharia de Tráfego) registrava 94 km de morosidade -o que representa 10,8% dos 835 km de vias monitoradas, percentual está acima do índice máximo para o horário que é de 10,5%. As piores vias são as marginais Tietê com 11,5 km na pista expressa e 10,8 km na local, e a Pinheiros, com 5,6 km na pista expressa.