Governo avalia que denúncia contra Lula pode enfraquecer protestos

VALDO CRUZ E MARIANA HAUBERT
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Logo após a apresentação das denúncias da força-tarefa da Lava Jato contra o ex-presidente Lula, a equipe do presidente Michel Temer avaliou reservadamente que elas podem enfraquecer os protestos que têm como alvo o governo do peemedebista.
Assessores do peemedebista disseram à reportagem que o episódio deve deixar o petista acuado e que, agora, ele terá de ficar se defendendo das denúncias feitas pela Lava Jato -que acusam Lula de ser o “comandante máximo” do esquema do petrolão.
Desde a cassação da presidente Dilma Rousseff, Michel Temer tem sido alvo de manifestações de ruas, o que passou a preocupar o Palácio do Planalto. Inicialmente, o governo minimizou os protestos, mas depois passou a dizer que respeitava qualquer tipo de manifestação, só não aceitava atos de depredação.
O único receio do governo Temer é com um eventual pedido de prisão do ex-presidente Lula. Neste caso, o petista pode ser transformado numa vítima, o que daria mais munição para protestos de grupos ligados a ele.
Durante rápida reunião na tarde desta quarta-feira (14), a equipe de Temer avaliou as denúncias contra Lula como “muito duras”. Para o Planalto, o que o Ministério Público mostrou é que o PT tem muito a explicar sobre os desvios feitos na Petrobras e que isso tira parte dos argumentos sobre a tese do golpe.
Uma das avaliações é de que o PT tentou colocar Temer “nas cordas” logo depois da cassação de Dilma, mas agora, com a denúncia contra Lula, o partido da ex-presidente é que ficará acuado.
Para o governo, a denúncia cria um embaraço para as pessoas que saem às ruas para pedir “Fora Temer” e há a avaliação de que os protestos tendem a ficar enfraquecidos.
Oficialmente, porém, o Palácio do Planalto não vai comentar a denúncia sob o argumento de que não cabe uma ação política neste caso. Temer foi informado da apresentação da força-tarefa em seu gabinete logo que começou a entrevista dos investigadores em Curitiba.