Banco Central trabalha com inflação abaixo do centro da meta em 2017

Renda e economia. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

MAELI PRADO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em seu relatório de inflação, divulgado nesta terça-feira (27), o Banco Central informou que trabalha com uma inflação de 4,4% em 2017, abaixo do centro da meta, que é de 4,5%.
A projeção representa uma melhora em relação à ata do Copom (Comitê de Política Monetária), divulgada no dia 6 de setembro, na qual a autoridade monetária trabalhava com uma projeção de 4,5% para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do ano que vem.
Segundo o BC afirmou no relatório desta terça, há três elementos que permitiriam a redução dos juros básicos: a interrupção do choque de alimentos na inflação, a desinflação dos itens do IPCA que reagem mais rapidamente à queda ou aumento dos juros (ou seja, os que são mais sensíveis à Selic) e a aprovação das medidas de ajuste fiscal.
Os preços dos alimentos, segundo o BC, já mostram alguns sinais de arrefecimento no atacado. A inflação, de acordo com a autoridade monetária, mostra sinais inconclusivos.
Quanto ao terceiro fator, o BC disse que há sinais positivos do encaminhamento das reformas fiscais. “Entretanto, o processo de tramitação ainda está no início e as incertezas quanto à aprovação e implementação dos ajustes necessários permanecem”, disse a autoridade monetária no relatório.
Para a instituição, não há elemento que seja determinante individualmente para a decisão. “O Copom avaliará a evolução da combinação desses fatores, pois não há elemento que seja determinante por si só para as decisões de política monetária. Os membros do Copom tomam suas decisões com base em avaliações necessariamente subjetivas, mas sempre calcadas em evidências sólidas sobre os fatores relevantes”.
META “CRÍVEL”
No último relatório de inflação, em junho, o Banco Central havia dito ser “crível” atingir o centro da meta de 4,5% no próximo ano. No ano passado, a inflação fechou em 10,67%, a maior alta desde 2002 e a primeira vez em 12 anos que o índice superou a meta estabelecida.
A meta de inflação está em 4,5% ao ano desde 2005. O plano original, quando foi criado o regime de metas, era reduzir gradualmente a taxa a ser perseguida pelo BC.
Esse roteiro de queda da meta, porém, foi abandonado nos governos Lula e Dilma, numa das primeiras vitórias dos economistas heterodoxos na gestão petista.
Entre os mais de 20 países que adotam metas de inflação, o Brasil trabalha com um dos objetivos menos ambiciosos. México e Chile, por exemplo, perseguem metas de 3%.

Único jornal diário gratuito no metrô