Desembolsos do BNDES caem 34% e devem fechar ano abaixo dos R$ 100 bi

Os desembolsos de recursos pelo BNDES caíram 34% entre janeiro e setembro de 2016, para R$ 62,205 bilhões, informou o banco nesta quinta-feira (20).
O valor representa quase a metade dos R$ 129,649 bilhões verificados no mesmo período de 2014, último ano da política expansionista do ano.
De acordo com o superintendente da área de planejamento do BNDES, Fábio Giambiagi, o desempenho do ano reflete a retração econômica do país.
Mantida a média dos últimos meses, os desembolsos fecharão o ano abaixo dos R$ 100 bilhões pela primeira vez desde 2008, considerando os valores correntes à época.
Considerando apenas o terceiro trimestre, a queda nos desembolsos foi de 13,9% com relação ao mesmo período do ano anterior, em mais um sinal de que a retomada da economia ainda não começou.
“Talvez a intensidade dos problemas acumulados tenha sido muito grande e os mais otimistas tenham subestimado as dificuldades para a retomada”, afirmou Giambiagi.
Ele destacou, porém, que as consultas, que indicam o interesse dos empresários por novos empréstimos, começaram a se estabilizar nos últimos meses.
Entre janeiro e setembro, porém, o indicador registra queda de 8%, para R$ 84,892 bilhões.
Segundo Giambiagi, o banco está “se preparando” para apoiar o aumento da atividade a partir de 2017 apesar da devolução de R$ 100 bilhões ao Tesouro Nacional.
Nesse sentido, vai anunciar até o fim de novembro uma nova política operacional, com maior participação de empréstimos a juros de mercado e ênfase em infraestrutura e micro, pequenas e médias empresas.

NICOLA PAMPLONA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS)