Homem que atuava em ambulâncias em SP é preso sem registro médico

SANTO ANDRÉ, SP - 20.11.2016: PRISÃO-SP - Falso médico é preso em Santo André, na Grande São Paulo, após a morte de uma paciente que estava internada no hospital Santa Helena, em São Bernardo do Campo, onde deu à luz de gêmeos. Como o parto foi de risco, ela precisou ser transferida para uma UTI. O falso médico veio em uma ambulância para a transferência. No trajeto, teria acabado o oxigênio da ambulância e a paciente teve uma piora em seu quadro de saúde e acabou entrando em óbito. Indagado pela médica do hospital, ele não sabia fazer procedimento para reverter o quadro da vítima, quando a Polícia Militar foi acionada para prender o homem que se passava por médico. O falsário usava dois CRM diferentes. (Foto: Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Folhapress)

static_qr_code_without_logo

A Polícia Militar prendeu, na madrugada de domingo (20), um homem que se apresentava como médico em Santo André (SP) sem registro para atuar no Brasil. A prisão aconteceu após a morte de uma mulher atendida por ele dentro de uma ambulância.

Vanessa Batista, 29, deu à luz na unidade de São Bernardo do Campo (SP) do hospital Santa Helena na última quinta-feira (17). Dois dias depois, uma hemorragia fez com que ela passasse por histectomia (remoção de útero). O hospital resolveu transferi-la para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da maternidade em Santo André.

Vanessa saiu de São Bernardo com quadro estável, de acordo com o boletim de ocorrência, e chegou à UTI em estado grave, por volta das 21h20. Ela morreu cerca de uma hora depois por parada cardiorrespiratória.

Segundo o hospital, a transferência entre as duas unidades aconteceu por uma prestadora de serviço credenciada, a Sérgio Remoções. Na ambulância, ela foi atendida por Graziane Soares Pereira, 33, de acordo com a Polícia Civil.

Desconfiada do atendimento, a médica responsável pela emergência do hospital Santa Helena questionou as credenciais do médico, que não confirmou sua identidade. Após a negativa, ela chamou a polícia. Pereira disse aos agentes, segundo o boletim de ocorrência, que estudara medicina na Bolívia, mas foi reprovado no exame para a validação do diploma no Brasil.

Em sua bolsa, a polícia encontrou dois carimbos com nomes de médicos diferentes, além de seus documentos pessoais, jaleco e estetoscópio. Pereira foi encaminhado à Cadeia Pública de Santo André. O caso foi registrado no 1º DP de Santo André como homicídio simples, exercício ilegal de medicina e falsa identidade.

Único jornal diário gratuito no metrô