Petróleo sobe 4% e impulsiona ações da Petrobras, que avançam mais de 6%

As expectativas de que a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) consiga fechar um acordo para conter o excesso de oferta mundial impulsionam a commodity e, consequentemente, as ações da Petrobras nesta segunda-feira (21).
Os papéis preferenciais da estatal subiam há pouco 6,61%, a R$ 15,48, e os ordinários ganhavam 4,56%, a R$ 17,17.
Em Londres, o petróleo Brent subia 4,67%, a US$ 49,05 o barril; nos EUA, o petróleo tipo WTI tinha alta de 4,46%, a US$ 47,73 o barril.
O otimismo com um possível acordo entre países foi expressado neste fim de semana pelo Irã, considerado até então um dos principais obstáculos para limitar a produção.
A Opep se reúne no próximo dia 30, e espera obter ainda a adesão de países que não fazem parte do cartel, como a Rússia.
BOLSA
O Ibovespa avançava 1,69%, aos 60.975,32 pontos, beneficiado ainda pela alta de mais de 4% da ações da mineradora Vale. Os papéis do setor financeiro também operavam no campo positivo, com destaque para a alta de mais de 6% das ações do Banco do Brasil.
Em Nova York, também ajudado pela alta do petróleo, o índice S&P 500 ganhava 0,68%, aos 2.196,7 pontos, caminhando para fechar o pregão com recorde histórico de pontuação.
O avanço da commodity contribui ainda para a valorização de moedas de países emergentes como o Brasil. A moeda americana à vista fechou em baixa de 1,15%, a R$ 3,3483, e o dólar comercial caia 1,06%, a R$ 3,3520.