Adriana Ancelmo movimenta R$ 1,2 mi e pode voltar para a cadeia

A ex-primeira-dama do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo afirmou nesta quarta-feira (10) em depoimento à Justiça Federal que movimentou R$ 1,2 milhão após a sua prisão. A informação pode levá-la de volta para a cadeia. Ancelmo está com os bens bloqueados desde a deflagração da Operação Calicute, em novembro. Ela afirmou ao juiz Marcelo Bretas que retirou o valor de sua previdência privada que tem os filhos como beneficiários.

“Fiz a transferência para pagar os honorários [dos advogados] e dívidas do escritório. O banco disse que isso poderia ser feito por ser recursos de previdência privada”, disse ela. O procurador Rodrigo Timóteo disse que vai oficiar o banco para esclarecer como a operação foi realizada.

“Ela não poderia fazer essa movimentação porque todas as contas em seu nome estão bloqueadas. Vamos apurar e nos manifestar”, disse ele, que disse ser possível um novo pedido de prisão. Ancelmo afirmou que fez a operação por meio de uma secretária. Não ficou claro se a movimentação ocorreu após a saída dela do Complexo Penitenciário de Gericinó.