Covas cria comitê para priorizar ações e recursos para viadutos e pontes de SP

 

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, criou um comitê de crise para priorizar ações de emergência relativas ao viaduto que cedeu na Marginal do Pinheiros perto do Parque Villa-Lobos e da Ponte do Jaguaré, na zona oeste.

Entre as medidas, estão a possibilidade de remanejamento de recursos orçamentários para projetos, ações e iniciativas para manutenção da segurança e estabilidade das pontes e dos viadutos da capital paulista. A criação do comitê foi oficializada em decreto publicado no Diário Oficial da Cidade desta terça-feira, 20. O texto retroage para ações tomadas desde o dia 15 de novembro.

O decreto diz que “o impacto e a gravidade dos efeitos decorrentes da interdição” do viaduto na região do Jaguaré justificam a criação em caráter emergencial do grupo de trabalho para monitoramento da situação.

Coordenado pelo prefeito, o grupo envolve, além do chefe de gabinete, outros nove secretários e o procurador geral do município, Guilherme Bueno de Camargo. O Comitê será responsável por “coordenar medidas preventivas ou reparadoras, administrativas e judiciais” para manter a segurança e a estabilidade das pontes e dos viadutos da cidade.

O documento determina que ações para manutenção das estruturas terão regime especial de atendimento prioritário. “Os processos administrativos receberão identificação própria e destacada que evidencie sua tramitação prioritária no âmbito municipal”, explica o documento. “As providências a cargo dos órgãos ou entidades municipais deverão ser adotadas no prazo de até 15 dias.”

Com o objetivo de evitar congestionamentos, a Prefeitura de São Paulo liberou nesta segunda-feira, 19, à tarde dois trechos, que somam 10 quilômetros, da pista expressa da Marginal do Pinheiros Vinte quilômetros da via haviam sido interditados após o viaduto ceder.

Os trechos liberados da Marginal são entre as pontes Estaiada e a Eusébio Matoso e entre as pontes João Dias e a Estaiada – a liberação não é contínua. A suspensão do rodízio de veículos vale entre a Avenida Bandeirantes, na zona sul, e a Ponte dos Remédios, na região oeste.

A prefeitura espera liberar mais quatro quilômetros da via expressa nos próximos dias. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Marginal do Pinheiros recebe 1,5 mil veículos por faixa a cada hora.  Da noite deste domingo, 18, para a manhã de segunda, 19, o viaduto cedeu mais 5 milímetros, segundo o secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly.

Prefeitura de SP irá se reunir com

motoristas de aplicativos e taxistas

A Prefeitura de São Paulo irá se reunir nesta quarta-feira, 21, com motoristas de aplicativos e taxistas para propor ações que diminuam o trânsito na capital após o viaduto da Marginal do Pinheiros ceder e interditar a via expressa.

Segundo o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, João Octaviano Neto, o objetivo do encontro é criar alternativa para retirar o maior número de veículos da rua. “Nós vamos conversar e ver o que eles (motoristas) podem nos ajudar em função da especificidade do trabalho que eles prestam. Trazer uma alternativa de viagem para que o cidadão possa deixar o carro em casa e não saturar mais o sistema”, explica Neto.

Segundo o secretário, durante a reunião será negociado com os motoristas um desconto nas corridas. “Nós vamos ouvir as demandas deles em relação a esses pontos de concentração no eixo paralelo a Marginal Pinheiros e todas as medidas operacionais que forem possíveis vamos tentar implantar o mais rápido para tirar o maior número de veículos da rua”, disse Neto.

Além disso, o secretário informou que será negociado a criação de bolsões em pontos privilegiados da Marginal Pinheiros para taxistas esperarem o chamado.

 

Foto:Heloísa Ballarini Secom