AirPods podem ser usados para estimar a frequência respiratória

Lembram-se dos (antigos) rumores sobre AirPods com “monitor de saúde”? Embora um fone de ouvido com tais recursos (ainda) não tenha sido lançado, isso não significa que a Apple não está empenhada em entender como os AirPods podem contribuir para a saúde de usuários.

Nesse sentido, pesquisadores da Apple descobriram que “dispositivos vestíveis com microfone integrado” (aka AirPods) podem ser usados para estimar a taxa respiratória de um usuário, abrindo outro caminho potencial em sensores biométricos de saúde.

A publicação não cita os AirPods especificamente, mas deixa claro que o áudio da respiração captado pelos microfones desses fones de ouvido foram usados em um modelo de rede de aprendizagem com o objetivo de distinguir a respiração normal de uma respiração pesada.

Embora sensores como termistores, transdutores de medidor respiratório e sensores acústicos forneçam a estimativa mais precisa dos padrões de respiração de uma pessoa, eles são intrusivos e podem não ser confortáveis para o uso diário. Em contraste, os fones de ouvido são relativamente econômicos, acessíveis, confortáveis e esteticamente aceitáveis.

O estudo da Apple se concentra em estimar as taxas respiratórias durante a atividade física, embora os pesquisadores observem que técnicas semelhantes também podem ser aplicadas a cenários clínicos relacionados a falta de ar ou dispneia.

Ao coletar seus dados, a Apple pediu aos participantes que gravassem uma série de clipes de áudio antes, durante e depois de uma sessão de treino. As leituras da frequência cardíaca do Apple Watch foram incluídas como dados de acompanhamento.

Os resultados apresentados validam que a frequência respiratória pode ser estimada a partir de áudio capturado usando microfones [de dispositivos] vestíveis, permitindo a detecção de condições respiratórias pesadas e o monitoramento das mudanças da frequência respiratória, uma medida de aptidão cardiorrespiratória, ao longo do tempo. As descobertas são promissoras para o desenvolvimento de uma ferramenta de saúde respiratória com uma coorte de estudo maior.

Naturalmente, não é possível afirmar que esse estudo significa que a Apple pretende incorporar tal recurso de detecção de frequência respiratória em seu conjunto de tecnologias de saúde. Não obstante, isso prova mais uma vez que dispositivos do cotidiano de muitos usuários podem ser eficazes na leitura de dados de saúde.