Share
TCM acusa João Doria de não cumprir o que prometeu após o Corujão da Saúde

TCM acusa João Doria de não cumprir o que prometeu após o Corujão da Saúde

Auditoria realizada pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) e finalizada no mês passado constatou que a gestão do ex-prefeito João Doria (PSDB) não cumpriu a promessa de diminuir o tempo de espera por um exame médico após o Corujão da Saúde, um dos carros-chefe da gestão. O tucano fixou prazo de 30 dias para exames urgentes e 60 dias para os demais depois do encerramento do programa, no início de 2017, mas o prazo médio de janeiro a maio do ano passado foi de mais de três meses após a data da entrada na fila, que do ponto de vista médico-científico, constitui prazo excessivo, de acordo com o relatório. Em março, o prazo para a realização de um exame chegou a 107 dias.

“A divulgação feita pela Prefeitura de que, com o encerramento do programa Corujão da Saúde todos os pacientes que necessitassem de exames na rede municipal deveriam realizá-lo em até 30 dias no máximo, na própria rede municipal, não se efetivou, pois em abril de 2017 a espera média correspondia a 103,4 dias e, em maio de 2017, correspondia a 99,7 dias. Portanto, demonstra-se que a realização de exames não pode ser uma política pública em si, mas sim requer ações permanentes […]”, diz o relatório do TCM.

“Logo, verifica-se a ausência de medidas estruturantes efetivas para a manutenção da realização de exames de modo a atingir a meta estabelecida, qual seja, 30 dias após sua solicitação”, destaca o texto do voto do conselheiro Maurício Faria. O ex-secretário municipal da Saúde e idealizador do programa, Wilson Pollara, deixou a pasta nesta quarta-feira (11) e Edson Aparecido, presidente da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab), assumiu.

A ideia do Corujão da Saúde é usar hospitais particulares conveniados com o município para a realização de exames entre as 22h e 8h – daí o nome de corujão.

Quando foi lançado, em janeiro de 2017, a meta do programa Corujão da Saúde era zerar em três meses a fila de 485 mil solicitações de seis tipos de exames. Depois que a fila fosse zerada, a promessa era que nenhum paciente iria esperar mais do que 30 dias para fazer um exame.

Exame cobertos pelo programa
– Tomografia;
– Ressonância;
– Ultrassonografia;
– Mamografia;
– Ecocardiografia;
– Densitometria.

Fonte: Fábio Arantes/Secom

 

 

Deixe seu Comentário