Share
Lava Jato revela R$ 1,8 bilhão em  propina no esquema Michel Temer

Lava Jato revela R$ 1,8 bilhão em propina no esquema Michel Temer

A força-tarefa da Operação Lava Jato afirma que ao esquema atribuído ao ex-presidente Michel Temer (MDB) foi “transferido ou prometido” R$ 1,8 bilhão em propina até o momento. Temer e o ex-ministro Moreira Franco (Minas e Energia) foram presos nesta quinta-feira, 21. O ex-presidente voz de prisão da Polícia Federal logo após sair de sua residência, no final da manhã, na zona oeste da capital paulista.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a organização atuava há 40 anos, tendo entre os envolvidos, Temer e o amigo dele João Baptista Lima Filho, conhecido como coronel Lima, também preso pela PF.

“Esse grupo criminoso que está sendo investigado e foi objeto das medidas cautelares adotava como modus operandi no recebimento de propina o parcelamento dessa propina por vários e vários anos. Todas as propinas que nós identificamos ou que já tenham sido objeto de denúncia ou que estejam em investigação em relação a essa organização criminosa promessa de propina ou propina paga nós somamos e chegamos a essa cifra de R$ 1,8 bilhão”, afirmou o procurador regional da República José Augusto Vagos.

No pedido de prisão, a Lava Jato incluiu uma tabela com três colunas: área de influência, valor de propina paga/prometida ou desviado e situação atual. Na primeira linha, os procuradores ligaram a Usina EPE & J&F ao valor de R$ 720 milhões (R$ 500 mil por semana, durante 30 anos) e à informação “interrompida pela deflagração das investigações”.

A Lava Jato relacionou “Câmara dos Deputados (OAS)” ao valor de R$ 7,8 milhões. A situação atual, segundo a Procuradoria, é “dinheiro em espécie, empresas de fachada, pagamento de boletos, doleiros, crédito em conta no exterior (recebida e ocultada)”.

Os investigadores incluíram na tabela o valor de “R$ 5,9 milhões (valores comprovadamente recebidos, muito inferiores aos prometidos pelos próximos 70 anos)” ao Decreto dos Portos. De acordo com o Ministério Público Federal, a situação atual é “empresas de fachada, contratos fictícios (parte recebida e ocultada, maior parte a receber)”.

O advogado Eduardo Carnelós, que defende Michel Temer, afirmou que a prisão do ex-presidente “é uma barbaridade”.

Foto: Reprodução TV Globo

Deixe seu Comentário